Pular para o conteúdo principal

(E) Revendo conceitos e quebrando paradigmas com o QlikView - Parte 1



As primeiras perguntas que as pessoas fazem sobre o QlikView:

O que há de especial sobre o QlikView? Quais as diferenças entre este software e outros existentes no mercado?

Naturalmente essas são as primeiras perguntas que as pessoas que ouvem e estão conhecendo o QlikView fazem. Algumas delas têm experiência com soluções tradicionais de business intelligence (BI), então elas querem entender o QlikView nesse contexto. Outras estão curiosas sobre o conceito do "Business Discovery". 

Este post sobre o QlikView aborda a combinação de três fatores que me impressionou bastante e que estão tornando o QlikView único: uma experiência associativa do usuário, o núcleo desta tecnologia e o caminho para adoção do Business Discovery.

O que é Business Discovery?

Business Discovery é BI orientado ao usuário, que auxilia na tomada de decisões a partir de várias fontes de conhecimento: dados, pessoas, ambiente.

Os usuários podem criar e compartilhar conhecimento e análises em grupos e em toda a organização. As plataformas de Business Discovery auxiliam as pessoas a realizar e responder seu fluxo de questões, ao seguirem seus próprios caminhos no processo de adquirir conhecimento, sozinhos ou ao trabalhar em grupos formais ou informais. As plataformas de Business Discovery permitem acesso ao conhecimento a partir de qualquer lugar, quer seja por um aplicativo local, por acesso móvel, através da capacidade de reorganização e remontagem, além de permitir uma experiência social e colaborativa.

O que torna o QlikView único?

São elas, a experiência associativa, o núcleo da tecnologia e o caminho da adoção do conceito Business Discovery.
  • Experiência associativa:
A plataforma de Business Discovery QlikView, possibilita os usuários a capacidade de explorar dados, fazer descobertas e desvendar percepções que podem ser usadas para ajudá-los a solucionar problemas de negócio de novas maneiras. Um dos principais diferenciais do QlikView é a experiência associativa que ele proporciona aos usuários. Os usuários de negócio podem realizar pesquisas e interagir com painéis e análises dinâmicas a partir de diversos dispositivos. Os usuários podem alcançar percepções inesperadas porque o QlikView: 
  • Funciona da mesma forma que a mente: Com o QlikView, a descoberta é flexível. Os usuários podem navegar pelos dados e interagir com eles da forma que desejarem. Eles não ficam limitados a caminhos predefinidos ou ao uso de painéis pré-configurados. Os usuários elaboram e respondem sequências de perguntas sozinhos, em grupos e em equipes, abrindo novos caminhos para as percepções e decisões. Com o QlikView, os usuários de negócio conseguem visualizar tendências ocultas e realizar descobertas de uma forma diferente de qualquer outra plataforma de BI do mercado. 
  • Esclarecer pelo poder do cinza: Com o QlikView, os usuários podem, literalmente, ver as relações entre os dados. Além de ver quais dados estão associados com suas seleções, eles também podem ver facilmente quais dados não estão associados (veja a figura abaixo). Como? As seleções do usuário são realçadas em verde. Os valores de campos associados à seleção são realçados em branco. Os dados não relacionados são realçados em cinza. Por exemplo, quando um usuário clica na subcategoria de um produto (digamos, biscoitos) e em uma região (como Japão), o QlikView mostra instantaneamente tudo o que há em todo o conjunto de dados associado a essas seleções, além dos dados não associados. O resultado são novas percepções e descobertas inesperadas. Nesse exemplo, o usuário poderia ver que não foram vendidos biscoitos no Japão em janeiro, ou em junho e começar uma investigação sobre os motivos. 
  • Permite a pesquisa direta e indireta: Com a pesquisa do QlikView, os usuários digitam palavras ou frases relevantes, em qualquer ordem, e obtêm resultados instantâneos e associativos. Com uma barra de pesquisa global, os usuários podem pesquisar em todo o conjunto de dados em um aplicativo. Com caixas de pesquisa associadas a listas individuais, os usuários podem restringir a pesquisa apenas àquela lista. Eles podem realizar pesquisas diretas e indiretas. Por exemplo, se um usuário quiser identificar um representante de vendas, mas não conseguir lembrar seu nome, apenas detalhes sobre ele, como o fato de ele vender peixe a clientes na região norte, o usuário poderá pesquisar “Norte” e “peixe” na lista de representantes de vendas para obter os nomes dos representantes de vendas que atendem esses critérios. 
  • Fornece respostas com a mesma rapidez com que os usuários podem pensar em perguntas: Um usuário pode fazer uma pergunta no QlikView de diversas maneiras diferentes, por exemplo, ao delimitar uma área em diagramas, gráficos e mapas. Ao clicar em itens em listas, ao utilizar deslizadores e ao selecionar datas em calendários. Todos os dados no aplicativo são filtrados instantaneamente de acordo com as seleções do usuário. O usuário pode de forma rápida e fácil, visualizar relações e descobrir o significado dos dados, no processo de definição de suas percepções.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(T) Como indexar uma tabela Fato - (Best Practice)

A base de qualquer projeto de bi é ter um bom dw/data mart. Podemos falar em modelagem star-schema durante dias, sem falar nas variações do snowflake, mas o objetivo principal deste artigo é apontar algumas negligências que tenho percebido no tratamento da tabela fato. Tabela esta que é o principal pilar da casa que reside um modelo star-schema.

Ouço muitas vezes os clientes reclamando do desempenho das consultas enviadas contra o seu dw/data mart, ou do tempo de resposta das análises solicitadas ao bi. Isto é realmente inaceitável, não só numa perspectiva de implantação do projeto, mas também de desempenho da entrega das informações.

Como eu mencionei anteriormente o meu objetivo neste artigo, é alertar sobre a importância da indexação da tabela fato: o que deveria ser, porque é necessário, porque chaves compostas são boas e más, e porque você deveria se preocupar com isso.

Então, vejamos:

|a| Indexação padrão (default):
De forma rápida, todas as colunas de chave estrangeira (FK) devem …

(A) Tucson Best Buy Analysis

“Data! Data! Data!” he cried impatiently.  “I can’t make bricks without clay.” —Arthur Conan Doyle
The Ascendance of Data

We live in a world that’s drowning in data. Websites track every user’s every click. Your smartphone is building up a record of your location and speed every second of every day. “Quantified selfers” wear pedometers-on-steroids that are ever recording their heart rates, movement habits, diet, and sleep patterns. Smart cars collect driving habits, smart homes collect living habits, and smart marketers collect purchasing habits. The Internet itself represents a huge graph of knowledge that contains (among other things) an enormous cross-referenced encyclopedia; domain-specific databases about movies, music, sports results, pinball machines, memes, and cocktails; and too many government statistics (some of them nearly true!) from too many governments to wrap your head around.
Buried in these data are answers to countless questions that no one’s ever thought to ask. In…