Pular para o conteúdo principal

(T) Oracle Essbase Studio 11 – Parte 1

O Essbase Studio 11 é a novidade da Oracle. Esta versão fornece aos usuários uma interface gráfica para desenvolver, implantar e manter cubos Essbase (OLAP) com base em uma ou mais fontes de dados. Antes do Oracle Essbase Studio 11 ser lançado, para se conseguir isso, era necessário uma combinação das seguintes ferramentas: Essbase Integration Services (EIS) e do Essbase Administration Services (EAS). Agora só o Essbase Studio basta para se construir um modelo multidimensional a partir de fontes de dados que variam a partir de tabelas de banco de dados relacional, exibições e arquivos simples para OBIEE e dimensões EPMA. Além disso, o Essbase Studio faz uso de várias interfaces 'wizard-driven', buscando tornar as operações mais fáceis para os usuários finais, desta forma a Oracle busca aumentar a adoção da ferramenta.
Os profissionais envolvidos com o desenvolvimento de soluções Business Intelligence e EPM deverão prestar especial atenção ao aparecimento do Essbase Studio, como a integração de cubos Essbase com as ferramentas do OBIEE.

No entanto, os exemplos que são incluídos com a aplicação são limitados e não tem muito a ver com o mundo real. Além disso, os exemplos disponíveis são pré-construídos e sem qualquer denotação. Estão disponíveis na aplicação sob a forma de construtores (step-by-step) de um modelo no Essbase Studio.
Estarei a partir de hoje, postando neste blog, vários artigos (na forma de um mini-tutorial), no intuito de esclarecer e demonstrar algumas das principais funcionalidades desta nesta nova versão que na minha opinião promete ser uma das melhores.

Essbase Studio - Criar uma fonte de dados
Uma fonte de dados pode ser um arquivo texto (.txt), um arquivo CSV (.csv), OBIEE, DRM, ou um banco de dados relacional. Neste nosso exemplo, vamos utilizar o demo que se encontra no banco de dados Oracle 'Regime AdvWorks' para construir uma fonte de dados.

Iniciando o Essbase Studio
Antes de iniciar o Essbase Studio, certifique-se que todos os serviços necessários estão iniciados. A maneira mais fácil de iniciar o Studio é a partir de um atalho (se disponível) na sua área de trabalho. No entanto, você pode usar a estrutura do programa pelo 'Iniciar >> Todos os Programas >> Oracle EPM System >> Essbase >> Essbase Studio >> Essbase Studio Console'.

Depois do Studio ser iniciado, todos os elementos de 'designer' são visíveis através do 'layout' de navegação da aplicação. Para este primeiro artigo especificamente, vamos nos concentrar na criação de uma fonte de dados. Irei expor os outros elementos do aplicativo nos próximos artigos.

HOW-TO: Criar fonte de dados (MiniSchema Start)


1- Selecione o item 'Data Source' a partir do menu 'File >> New'.

2- Na tela 'Connection Wizard' complete os campos com as seguintes informações:

>> Connection Name = AdventureWorks

>> Data Source Type = Oracle

>> Server Name = localhost, ou o nome do servidor onde está o seu BD (Ex.: o nome da minha máquina é "binapratica")

>> User Name = AdvWorks

>> Password = Oracle1

>> SID = XE (ou, configure o TNSNAMES, que se conecta ao seu BD)


3- Teste a conexão e tenha a certeza de que está funcionando corretamente. Se por alguma razão o teste falhar, verifique se o 'username' e a 'password' foram digitadas corretamente. Se o problema estiver com o usuário 'AdvWorks', você pode criar um novo usuário com privilégios de leitura e usar este novo usuário aqui.


4- Clique Next.

5- Em 'Select Tables', selecione todos os objetos que deseja importar exceto : DimEmployee, DimReseller e DimSalesReason.


6- Clique Next.

7- Em 'Select minischema' escolha 'Create a new schema diagram'. O nome padrão aparece no campo, então não precisa alterá-lo.


8- Desmarque a opção 'Use Introspection to Detect Hierarchies'.

>> Esta opção ativa uma operação 'default wizard' para transformar todos os elementos de uma dimensão em hierarquias.

9- Clique Next.

10- Em 'Populate Minischema' certifique-se que todas as tabelas que estão em 'Available' (lado esquerdo) foram passados para 'Tables in Schema' (lado direito).

11- Clique Finish.

12- Clique OK em 'Data Source created successfully'.

Neste primeiro artigo aprendemos a iniciar o Essbase Studio e a criar uma fonte de dados. Além disso, criamos um mini-esquema com base na fonte de dados. Podemos observar neste artigo que esta nova versão 'Essbase Studio' é impulsionada por wizards (assistentes). Mostrei também que o 'assistente de conexão' nos possibilita ter controle sobre a forma como os elementos de modelagem serão construídos. Propusemo-nos a criar uma fonte de dados, e na segunda etapa do 'Assistente para conexão', depois de selecionar as tabelas, poderíamos ter simplesmente clicado no botão 'Finish' para concluir a criação da fonte de dados. Em vez disso, fomos para o passo 'Select Minischema' que poderia ter sido completamente omitido ou iniciado a partir de outro assistente no Studio em um momento posterior. Temos agora uma fonte de dados e um mini-esquema para trabalhar, mas isto fica para o próximo artigo.


Abraço a todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(A) Tucson Best Buy Analysis

“Data! Data! Data!” he cried impatiently.  “I can’t make bricks without clay.” —Arthur Conan Doyle
The Ascendance of Data

We live in a world that’s drowning in data. Websites track every user’s every click. Your smartphone is building up a record of your location and speed every second of every day. “Quantified selfers” wear pedometers-on-steroids that are ever recording their heart rates, movement habits, diet, and sleep patterns. Smart cars collect driving habits, smart homes collect living habits, and smart marketers collect purchasing habits. The Internet itself represents a huge graph of knowledge that contains (among other things) an enormous cross-referenced encyclopedia; domain-specific databases about movies, music, sports results, pinball machines, memes, and cocktails; and too many government statistics (some of them nearly true!) from too many governments to wrap your head around.
Buried in these data are answers to countless questions that no one’s ever thought to ask. In…

(T) Como indexar uma tabela Fato - (Best Practice)

A base de qualquer projeto de bi é ter um bom dw/data mart. Podemos falar em modelagem star-schema durante dias, sem falar nas variações do snowflake, mas o objetivo principal deste artigo é apontar algumas negligências que tenho percebido no tratamento da tabela fato. Tabela esta que é o principal pilar da casa que reside um modelo star-schema.

Ouço muitas vezes os clientes reclamando do desempenho das consultas enviadas contra o seu dw/data mart, ou do tempo de resposta das análises solicitadas ao bi. Isto é realmente inaceitável, não só numa perspectiva de implantação do projeto, mas também de desempenho da entrega das informações.

Como eu mencionei anteriormente o meu objetivo neste artigo, é alertar sobre a importância da indexação da tabela fato: o que deveria ser, porque é necessário, porque chaves compostas são boas e más, e porque você deveria se preocupar com isso.

Então, vejamos:

|a| Indexação padrão (default):
De forma rápida, todas as colunas de chave estrangeira (FK) devem …